A questão da maneira de pensar

Segundo o pensamento grego, devemos nos preservar, buscar os nossos interesses, mas Cristo veio revelar uma outra realidade, conforme Ele explica:

“Ora, entre os que foram para adorar durante a festa, havia alguns gregos. Estes se dirigiram a Filipe, que era de Betsaida da Galileia, e lhe pediram: — Senhor, queremos ver Jesus. Filipe foi dizê-lo a André, e André e Filipe o comunicaram a Jesus. Então Jesus se dirigiu a eles, dizendo: — É chegada a hora de ser glorificado o Filho do Homem. Em verdade, em verdade lhes digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto. Quem ama a sua vida perde-a; mas aquele que odeia a sua vida neste mundo irá preservá-la para a vida eterna. Se alguém me serve, siga-me, e, onde eu estou, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, meu Pai o honrará.” (João 12.20–26 NAA)

O reino de Deus se trata de outra realidade. Não podemos querer vive-lo segundo a perspectiva deste mundo e muito menos pelo pensamento grego, pois é natural a busca dos interesses pessoais. Mas quanto olhamos para Cristo e vemos o Seu exemplo, Ele nos conduz para uma outra realidade que Deus planejou para sermos: um ser humano pleno que revela toda a Sua glória. Somente temos a possibilidade de viver intensamente isso, se observarmos as palavras de Cristo e sermos testemunhas fieis que glorificam o Seu nome e revela a natureza do Pai.