Sermos conduzidos a maturidade

Amadurecemos pela responsabilidade assumida

foto por: David Straight em Unsplash

A maturidade não é algo que acontece ao acaso, mas, decorrente de entendermos quem somos e de assumirmos a responsabilidade por aqueles que compreendemos ser nosso papel cuidar, ensinar e conduzir à vontade de Deus. Não se trata de esperarmos para sermos maduros espiritualmente, mas, de fazermos da nossa vida uma oferta.

Na conversa de Jesus com Pedro, podemos observar o que Jesus queria ensina-lo. Em João, capítulo vinte e um, do versículo quinze ao dezessete:  “Quando eles acabaram de comer, Jesus perguntou a Simão Pedro: Simão, filho de João, você me ama (ágape, amor que implica em sacrifício, no ato de oferecer)  mais do que estes outros me amam? — Sim, o senhor sabe que eu o amo (Philia, amor no sentido de gostar muito, de uma simples amizade), Senhor! — respondeu ele. Então Jesus lhe disse: Tome conta das minhas ovelhas! E perguntou pela segunda vez: Simão, filho de João, você me ama? Pedro respondeu: — Sim, o senhor sabe que eu o amo, Senhor! E Jesus lhe disse outra vez: Tome conta das minhas ovelhas! E perguntou pela terceira vez: Simão, filho de João, você me ama? Então Pedro ficou triste por Jesus ter perguntado três vezes: “Você me ama?” E respondeu: O senhor sabe tudo e sabe que eu o amo, Senhor! E Jesus ordenou: Tome conta das minhas ovelhas.” (João 21.15–17, NTLHE).

As perguntas de Jesus e o verbo usado nas duas primeiras, estão relacionadas a amar como Ele os tinha amado. Nas respostas de Pedro, ele usava outro verbo, o verbo gostar muito, pois traduz o amor no aspecto natural, no aspecto de esperar e desejar que seja suprido em suas necessidades. Na terceira vez que perguntou, Jesus usou o mesmo verbo amar que Pedro.

Mas não importa qual verbo usado, Jesus queria levar Pedro à maturidade, o processo aconteceria pelo ato do amor, mas de se oferecer para cuidar das ovelhas, cuidar dos outros. Por isso precisamos entender que amadurecemos na vida Cristã, não pelas nossas leituras, nem pelas nossas muitas orações, mas no ato de entendermos que temos que nos oferecer para cuidar uns dos outros, pois é no servir, em se oferecer como um ato de compaixão, que amadureceremos, pois assumimos a responsabilidade pela vida dos outros, para conduzi-los ao conhecimento e a vontade de Deus.

Anúncios