A preocupação natural

Talvez não sejamos diferentes dos religiosos na época de Jesus, por isso, precisamos parar e refletir sobre nossa motivação.

“Muitos dos judeus que tinham vindo visitar Maria, vendo o que Jesus havia feito, creram nele. Outros, porém, foram até os fariseus e lhes contaram o que Jesus havia feito. Então os principais sacerdotes e os fariseus convocaram o Sinédrio e disseram: — O que estamos fazendo, uma vez que este homem opera muitos sinais? Se o deixarmos assim, todos crerão nele; depois, virão os romanos e tomarão não só o nosso lugar, mas a própria nação.” (João 11.45–48 NAA)

Quando pensamos de maneira natural sobre o reino de Deus e a Sua vontade, nós olhamos somente na perspectiva do que iremos perder e não do que Ele está realizando em nosso meio. Preocupamos em preservar o que temos para não perdermos, por isso, escapam de nossas mãos aquilo que Deus tem feito, operado e realizado perto de nós.