Assemelhando na corrupção

Quando perdemos ou não aprendemos sobre justiça e andar na verdade, mesmo que insistamos em ser religiosos, não deixamos de agir como a nação de Israel.

“Ai da cidade opressora, rebelde e manchada! Não atende ninguém, não aceita disciplina, não confia no Senhor, nem se aproxima do seu Deus. Os seus príncipes são leões rugidores no meio dela, os seus juízes são lobos do anoitecer, que não deixam os ossos para serem roídos no dia seguinte. Os seus profetas são levianos e falsos. Os seus sacerdotes profanam o santuário e fazem violência à lei. O Senhor é justo, no meio da cidade; ele não comete injustiça. Manhã após manhã, ele traz o seu juízo à luz; não falha. Mas o injusto não sabe o que é vergonha.” (Sofonias 3.1–5 NAA)

Quando permitimos ou mesmo andamos em corrupção, vivendo segundo a maneira de pensar do mundo, estamos andando em corrupção e nos assemelhamos aos líderes e sacerdotes da nação de Israel, antes do exílio. Somos chamados para vivermos o reino de Deus na prática da justiça, andando na verdade, revelando os valores eternos do reino, não para insistirmos na corrupção da forma de pensar do mundo. Temos que santificar o nosso proceder, rejeitar as obras das trevas para revelarmos o nosso Deus.