A inveja como um fator de cegueira

Desejarmos conhecer a vontade de Deus é extremamente importante em nossas vidas para não sermos dominados pelas paixões humanas, principalmente a inveja. Se formos, não conseguiremos enxergar o papel de outras pessoas em nossas vidas, não compreenderemos sobre o que falam e não teremos o nosso entendimento transformado para sermos vasos de honra para o Reino.

Em Tessalônica, Paulo e Silas passaram por uma experiência assim, onde os religiosos, movidos por inveja, não tendo enxergado e nem julgado sobre o que ouviam destes dois, rejeitaram o ensinamento e incitaram pessoas para que os prejudicassem.

Podemos ler sobre este episódio na vida de Paulo e Silas, em Atos, no capítulo dezessete, e nos versículos cinco e seis sobre o que os religiosos fizeram movidos de inveja: “Mas os judeus ficaram com inveja. Eles foram buscar alguns homens maus entre os malandros das ruas e formaram um grupo de desordeiros. Estes fizeram muita confusão na cidade e atacaram a casa de Jasão, procurando Paulo e Silas a fim de os levar para o meio do povo. Mas, como não os encontraram, levaram à força Jasão e alguns outros irmãos até a presença das autoridades da cidade, gritando: — Aqueles homens têm provocado desordens em todos os lugares! Agora chegaram até a nossa cidade,” (Atos dos Apóstolos 17.5–6, NTLHE).

Talvez não cheguemos ao extremo como foi com esses judeus, mas como está o nosso coração em ouvir aquilo que Deus está querendo nos ensinar? Temos sido movidos por desejar compreender a vontade de Deus e temos colocado a prova, julgando à luz das Escrituras? Ou o nosso coração está fechado para a mensagem que tem sido anunciada? Precisamos romper a barreira, rejeitar este tipo de pensamentos e atitudes cercadas das paixões humanas e aprendermos a ouvir e julgar segundo a Palavra para nos sujeitarmos a vontade do Pai e sermos instrumentos que Ele deseja que sejamos neste mundo, realizando um culto com entendimento como é do Seu querer.

Anúncios