O temor na Igreja

Quando analisamos a história de Ananias e Safira e olhamos à luz do que fazemos em nossos dias, da nossa postura e modo de agir, não tem como negarmos a falta de temor, de honra a Deus e principalmente o não entendimento do nosso propósito.

A história de Ananias e Safira envolve a mentira. Eles querendo aparecer, venderam um campo, retiveram parte do valor, depositaram o valor não retido aos pés dos apóstolos e disseram que tinham vendido por aquele montante. Pedro, movido pelo Espírito, fala-lhes da mentira e que não precisariam ter doado aquele montante, pois era deles. Depois de conversar com os dois sobre o assunto, os mesmos morreram.

Decorrente deste fato, em todos sobreveio o temor, como está em Atos, no capítulo cinco, do versículo onze ao treze: “E sobreveio grande temor a toda a igreja e a todos quantos ouviram a notícia destes acontecimentos. Muitos sinais e prodígios eram feitos entre o povo pelas mãos dos apóstolos.E costumavam todos reunir-se, de comum acordo, no Pórtico de Salomão. Mas, dos restantes, ninguém ousava ajuntar-se a eles; porém o povo lhes tributava grande admiração.” (Atos dos Apóstolos 5.11–13, BEARA).

Temor não está ligado ao medo, mas, a respeito, a honra, a compreender a questão da santidade e do caráter de Deus e Sua natureza. Quando compreendemos e refletimos sobre Ele, não podemos continuar a viver uma vida de rebeldia, seguindo nossos próprios interesses e andando por nossa própria vontade. Precisamos aprender a amadurecer e viver segundo a vontade do Pai, sujeitos à Sua vontade e honrando o Seu nome. Só assim, revelaremos o verdadeiro temor com relação a Deus, Sua vontade e o Seu reino.