Oferta recebida com alegria

Quando compreendemos a oferta que Deus se agrada, entendendo que Ele não está sujeito e nem sucumbe aos nossos apelos gananciosos e nem se sujeita ao nosso egoísmo e orgulho e que Ele não trabalha, nem recompensa pelo nosso esforço, como não está sujeito a moeda de troca, então agiremos conforme a Sua vontade e seremos instrumentos úteis ao Reino para Sua alegria.

Temos na carta aos Hebreus referências a pessoas que viveram por fé. Uma das que está relacionada é Abel quanto a sua oferta, como podemos ler na carta, no capítulo onze, no versículo quatro: “Pela fé, Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim; pelo qual obteve testemunho de ser justo, tendo a aprovação de Deus quanto às suas ofertas. Por meio dela, também mesmo depois de morto, ainda fala.” (Hebreus 11:4, BEARA).

O que diferenciou uma oferta da outra? Abel ofereceu das primícias, como expressão de agradecimento, já Caim dos seus bens.  Outro aspecto que podemos observar, está na sequência dos acontecimentos e é relacionado a motivação de Caim e de Abel, que eram totalmente diferentes.

Precisamos entender que a nossa vida não é para ser vivida para nós e nem na busca de nossos interesses e que Deus não existe para resolver os nossos problemas, nem para salvar a nós mesmos, mas tendo sido salvos por Sua graça, por meio da fé em Cristo Jesus, precisamos viver segundo o modelo de Cristo e fazer das nossas vidas uma oferta em favor dos outros para que conheçam ao Pai.

Somente seremos agradáveis a Deus, no corpo de Cristo, onde fomos inseridos como membros, se fizermos da nossa vida uma oferta de maneira a sermos instrumentos que revelam por meio das nossas ações as Suas virtudes para as pessoas com quem nos relacionamentos. Não podemos, se quisermos viver segundo a Sua vontade, andar pela ganância do pensamento humano e nem cobiça dos nossos desejos, mas precisamos, agindo com compaixão, oferecer-nos em favor das pessoas tendo Cristo como modelo.

Anúncios