A mensagem proclamada revela a nossa origem

A mensagem proclamada revela a origem

foto Por: Jordan Graff em Unsplash

Não se trata da mensagem e nem da fonte dela, mas os olhos que a observam e a mente que as interpreta, pois quando não há entendimento, não há o conhecimento de Deus e nem a submissão à Sua vontade, então todo ensino que se gera, todo o modelo que se expressa, revela a maldade e o pensamento deste mundo e é feito por ganância e interesse pessoal, segundo o espírito do mundo.

Paulo, falando sobre isso, na carta a Tito, capítulo um, versículos quinze e dezesseis, afirma: “Todas as coisas são puras para os puros; todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro. Porque tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas. No tocante a Deus, professam conhecê-lo; entretanto, o negam por suas obras; é por isso que são abomináveis, desobedientes e reprovados para toda boa obra.” (Tito 1.15–16, BEARA).

Somos aprovados ou reprovados não pelo que falamos, mas pelas obras que praticamos, isto é, pela maneira como vivemos no mundo, pois se somos imitadores de Cristo, realizamos as  Suas obras, vivemos segundo o Seu amor e revelamos o Pai e somos oferta em favor de todos, agora, se andarmos segundo o pensamento natural, realizando obras deste mundo, então, revelamos que não temos o conhecimento de Deus, embora possamos confessar o contrário.