Se Cristo foi abandonado, por que seríamos poupados?

foto por: Marivi Pazos em Unsplash

Queremos ser poupados e salvos dos problemas, dificuldades e aflições. Não pensamos e nem concebemos a ideia de sermos oferta em favor das pessoas para que conheçam o Pai. Mas precisamos refletir sobre o que as Escrituras falam com relação a nós e o nosso papel,  pois se Cristo, sendo Quem era, não foi poupado, por que deveríamos ser?

Jesus na cruz, no evangelho de Mateus, capítulo vinte e sete, versículo quarenta de seis, depois de ouvir tudo que as pessoas que estavam ali falarem, clama ao Pai, afirmando: “Por volta da hora nona, clamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lamá sabactâni? O que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Mateus 27.46, BEARA).

Podendo o Pai livrá-Lo daquela hora, escolheu não faze-lo e precisamos compreender que tudo o que foi feito, a cruz, Cristo, Sua oferta em nosso favor estava planejado e preparado desde antes da fundação do mundo.  E Cristo foi a oferta em nosso favor, para que por meio do Seu sofrimento, da Sua morte, pudéssemos conhecer o Pai e a Sua vontade.

Assim como Ele, precisamos entender que as nossas vidas devem ser uma oferta a Deus, que traduza o se oferecer em favor das pessoas, pois quando nos oferecemos a Ele, como um culto feito com entendimento, para que a Sua vontade ocorra em e através de nós, então, Ele não nos poupará de nada e nem qualquer situação que seja necessário para que a Sua salvação chegue em todo lugar e a todos.

Ele não poupou o Filho, por isso, não existe qualquer razão para nos poupar para que a Sua vontade seja conhecida por todas as pessoas em todos os lugares e épocas.

Anúncios