A tradução da verdadeira adoração

Enquanto pensarmos que a adoração está relacionada aos cânticos que entoamos em nossas reuniões, somente confirmarmos as palavras de Jesus sobre não entendermos e que honramos a Deus com a nossa boca, mas o coração está longe Dele, pois somos capazes de falar das Suas maravilhas e não andarmos de maneira que O exalte e  glorifique.

Jesus, em Marcos, fala sobre isso, no capítulo sete, versículo seis e sete: “Jesus respondeu: — Hipócritas! Como Isaías estava certo quando falou a respeito de vocês! Ele escreveu assim: “Deus disse: Este povo com a sua boca diz que me respeita, mas na verdade o seu coração está longe de mim. A adoração deste povo é inútil, pois eles ensinam leis humanas como se fossem mandamentos de Deus.”” (Marcos 7.6–7, NTLHE).

Temos que entender que a verdadeira adoração está em sermos o sal nesta terra e a luz neste mundo, fazendo obras que glorifiquem ao Pai, pois é no revelar das Suas virtudes, no manifestar da Sua justiça, graça, misericórdia, bondade, compaixão, amor e no serviço que realizamos em favor das pessoas é que está a verdadeira expressão de adoração a Ele, pois andamos neste mundo como Seus imitadores.

Não podemos, como filhos desprezar os ensinos de Jesus e os Seus mandamentos e continuarmos a viver pelos nossos pensamentos e regras, pois elas não traduzem o caráter e nem revelam o Pai como Jesus afirmou nos versículos nove e dez: “ E Jesus terminou, dizendo: Vocês arranjam sempre um jeito de pôr de lado o mandamento de Deus, para seguir os seus próprios ensinamentos” (Marcos 7.9, NTLHE).

Não tem como revelarmos que somos filhos e nem como manifestar o Pai e honrar o Seu nome que não fazendo as mesmas obras que Ele, vivendo conforme a Sua natureza e manifestando a Sua graça e compaixão pelas pessoas, conduzindo-as ao reino de Deus.

Anúncios