Não sermos endurecidos pelo engano do pecado

Não sermos endurecidos pelo engano do pecado

foto por: Morgane Zehnder em Unsplash

Nos afastamos do Deus vivo, da genuína fé, da expressão da Sua vontade quando achamos que vivê-la está no desenvolvimento de nossa religiosidade e não na busca do Seu conhecimento e submissão, baseados em uma vida de fé, com o entendimento que somos participantes de Cristo. Somos a casa onde Cristo habita e é baseado no entendimento deste fato, por fé, que andamos neste mundo como Ele, revelando a glória do Pai.

Em Hebreus, capítulo três, versículo seis, podemos ler: “Cristo, porém, como Filho, em sua casa; a qual casa somos nós, se guardarmos firme, até ao fim, a ousadia e a exultação da esperança.” (Hebreus 3.6, BEARA). E do versículo doze ao quatorze, lemos:  “Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo; pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado. Porque nos temos tornado participantes de Cristo, se, de fato, guardarmos firme, até ao fim, a confiança que, desde o princípio, tivemos.” (Hebreus 3.12–14, BEARA).

O caminho a trilhar é longo e estreito, e não podemos fazê-lo em religiosidade, mas na compreensão da obra que Ele realizou em nosso favor, que somos a Sua morada, o Seu templo, e que como casa estamos sendo construídos para a habitação de nosso Deus e que não depende de nosso esforço, mas de nos submetermos à vontade do Pai, sendo filhos que revelam o Seu nome, andando por fé. Por isso precisamos guardar o que aprendemos e vivermos segundo o exemplo e modelo que recebemos do Senhor, baseados na fé e não segundo o pensamento natural.

Anúncios