Não desfalecemos diante do ministério recebido

foto por: taha ajmi em Unsplash

Ao entendermos o nosso papel, responsabilidade diante de Deus quanto a revelar o Seu reino neste mundo e compreendendo quem somos Nele, não temos opção que não sermos a oferta do Pai em favor das pessoas para que O conheçam. Não podemos desfalecer diante das situações e dificuldades que enfrentamos, pois sabemos da Sua vontade e obra em nosso favor.

Paulo, escrevendo aos irmãos de Corinto, em sua segunda carta, capítulo quatro, versículos um e dois, afirma: “Pelo que, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos; pelo contrário, rejeitamos as coisas que, por vergonhosas, se ocultam, não andando com astúcia, nem adulterando a palavra de Deus; antes, nos recomendamos à consciência de todo homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade.” (2Coríntios 4.1-2, BEARA).

Não podemos fazer por obrigação ou pressão, mas por entendimento, por compreendermos o amor do Pai e entendermos que este foi derramado em nossas vidas pelo Espírito, para que O revelemos às pessoas.

Precisamos agir pela motivação correta, pois todos estaremos diante do tribunal de Cristo e prestaremos contas das coisas que fizemos ou não, sabendo que deveríamos ter feito, como ele falou no versículo dez, capítulo cinco: “Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo.” (2Coríntios 5.10, BEARA).

Por isso, precisamos ter  a consciência e o entendimento de quem somos, para que a nossa oferta seja completa segundo a vontade de Deus, por isso não podemos desfalecer  e que entendamos que devemos ofertar nossos membros à prática da justiça e não a satisfação dos desejos naturais.

Anúncios