Aprendermos a viver o Reino de Deus

foto por: JORGE LOPEZ em Unsplash

Precisamos aprender a viver o Reino na perspectiva de Deus e não segundo a nossa religiosidade, pois nela, na sua inflexibilidade de mandamentos não podemos exercer a misericórdia e nem manifestar a Sua graça quando é de nós requerido tal coisa.

Temos a situação de Jesus, Seus discípulos e fariseus, isto em Mateus no capítulo doze, versículo um e dois: “Por aquele tempo, em dia de sábado, passou Jesus pelas searas. Ora, estando os seus discípulos com fome, entraram a colher espigase e comer. Os fariseus, porém, vendo isso, disseram-lhe: Eis que os teus discípulos fazem o que não é lícito fazer em dia de sábado.” (Mateus 12.1–2, BEARA). A este ponto, Jesus responde no versículo três: “Mas, Jesus lhes disse: Não lestes o que fez Davi quando ele e seus companheiros tiveram fome?” (Mateus 12.3, BEARA). E depois de argumentar, Ele afirma nos versículos sete e oito: “Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero e não holocaustos, não teríeis condenado inocentes. Porque o Filho do Homem é senhor do sábado.” (Mateus 12.7–8, BEARA).

Precisamos compreender que temos que ser guiados pela natureza do Pai, compreendermos a Sua vontade e agirmos segundo este princípio. Temos que revelar aos homens misericórdia, graça e o amor do Pai e não a nossa inflexibilidade religiosa. O nosso papel é conduzir as pessoas a Ele e não trazer condenação sobre elas. Assim como Cristo, precisamos nos deixar guiar pelo Seu querer e não por nossos sentimentos naturais, mas, pela justiça eterna que moveu céus e terra para que pudéssemos ser reconciliados com o Pai e experimentarmos da verdadeira vida.

Que possamos fazer da nossa vida a oferta que agrada ao Pai e que conduz as pessoas ao conhecimento da Sua vontade: que as ensina o verdadeiro caminho da justiça para que possam agir da mesma maneira.

Anúncios