Um chamado, uma responsabilidade

Foto por: Nathan Anderson on Unsplash

Somos filhos, fomos feitos filhos de Deus, não porque merecíamos ou porque nos esforçamos para isso, mas por causa da Sua graça, essa que nos salvou por meio da fé em Cristo Jesus. Pelo Seu poder nos transformou, deu nos um novo coração, somos coparticipantes da Sua natureza para revelarmos o Seu reino e Suas virtudes ao mundo.

No evangelho de João, no capítulo um, nos versículos doze e treze, fala do aspecto de crermos e recebermos e se fizemos isso, nos tornamos filhos de Deus: “Porém alguns creram nele e o receberam, e a estes ele deu o direito de se tornarem filhos de Deus. Eles não se tornaram filhos de Deus pelos meios naturais, isto é, não nasceram como nascem os filhos de um pai humano; o próprio Deus é quem foi o Pai deles.” (João 1.12–13, NTLHE).

Mas não foi suficiente, fomos abençoados em tudo, como podemos ler no versículo dezesseis: “Porque todos nós temos sido abençoados com as riquezas do seu amor, com bênçãos e mais bênçãos.” (João 1.16, NTLHE). Agora, assim como o Filho (Jesus) foi expressão do Pai, revelou-O ao mundo, como podemos ler no versículo dezoito: “Ninguém nunca viu Deus. Somente o Filho único, que é Deus e está ao lado do Pai, foi quem nos mostrou quem é Deus.” (João 1.18, NTLHE).

Assim como Jesus fez, Ele nos convocou para fazermos o mesmo. Isto é, para revelarmos o Pai neste mundo. Já fomos abençoados, temos e recebemos tudo que necessitamos para revela-Lo. Participamos da Sua natureza, da Sua vida, então não nos resta alternativa, não temos outra opção. Temos e precisamos entender que o nosso chamado é para revela-Lo, proclamando as Suas virtudes e esta é a nossa responsabilidade. Não podemos e nem devemos viver para nós mesmos e nem para os nossos sonhos, mas temos que expressar a mesma natureza do Pai.

Anúncios