A graça nos basta

A graça nos basta

foto por:  Tristan Gevaux em  Unsplash

Entendermos nossa condição de miserabilidade e total dependência da graça de Deus para que vivamos neste mundo conforme a Sua vontade é que nos conduz ao processo de maturidade, a revelarmos Cristo e reconhecermos que dependemos inteiramente Dele para nos ajudar a realizarmos a Sua vontade.

Paulo falando desta graça que era suficiente, afirma na segunda carta aos Coríntios, capítulo doze, do versículo sete ao dez: “E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo. Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte.” (2Coríntios 12.7–10, BEARA).

Precisamos, como Paulo, aprender que nos basta a graça de Deus, pois é ela que nos educa, nos conduz na Sua vontade e é suficiente para vivermos neste mundo de maneira que O agrade, pois aprendemos por ela a viver a Sua vontade e entendermos que, embora não merecedores, Ele nos faz Seus filhos, nos habilita e capacita para que sejamos expressão plena de Cristo a todas as pessoas, revelando-lhes o Deus invisível.

Anúncios