Quando a ficha cai!

Quando a ficha cai

foto por: Tim Mossholder em Unsplash

A questão da vida não está nos bens que adquirimos, nas riquezas que juntamos, nos problemas que causamos para as outras pessoas, nos erros que cometemos, mas, quando compreendendo o propósito da vida, nos arrependemos e voltamos para o nosso Pai, o autor a vida, por isso, precisamos compreender que a “ficha cai” quando revelamos o arrependimento por uma vida que não está dentro do propósito e da vontade de nosso Deus e Pai e nos voltamos para Ele.

Na estória do filho pródigo observamos o arrependimento quando ele compreende a sua situação e se lembra da sua família, do seu pai, como está em Lucas, capítulo quinze, dos versículos dezessete ao dezenove: “Caindo em si, ele pensou: “Quantos trabalhadores do meu pai têm comida de sobra, e eu estou aqui morrendo de fome! Vou voltar para a casa do meu pai e dizer: ‘Pai, pequei contra Deus e contra o senhor e não mereço mais ser chamado de seu filho. Me aceite como um dos seus trabalhadores.’ ”” (Lucas 15.17–19, NTLHE).

A expressão do arrependimento se revela diante do pai quando declara, no versículo vinte e um as seguintes palavras:  “E o filho disse: “Pai, pequei contra Deus e contra o senhor e não mereço mais ser chamado de seu filho!” (Lucas 15.21, NTLHE).

Viver o reino de Deus, na abundância de vida que Ele tem para nós, não está no serviço que realizamos, mas na compreensão que somos miseráveis e pecadores e que não temos vida em nós mesmos, mas reconhecemos que Ele é o único que pode nos salvar por meio de Cristo Jesus e que não depende de nós, mas unicamente do que Ele fez em nosso favor, sem qualquer merecimento de nossa parte. Que a nossa ficha possa cair e que possamos, independente de termos sido “bons”, “maus” ou “religiosos” aos olhos do mundo, arrependemos e voltamos para o nosso Deus, buscando o conhecimento e compreensão do Seu querer.