Quando envergonhamos a Deus

Quando envergonhamos a Deus

foto por: Johny Goerend em Unsplash

Na carta de Paulo aos Romanos, no capítulo dois, do versículo vinte e um ao vinte três, lemos:

Você, que ensina os outros, por que é que não ensina a você mesmo? Se afirma que não se deve roubar, por que é que você mesmo rouba? Se você diz que não se deve cometer adultério, por que é que você mesmo comete adultério? Você odeia os ídolos, mas rouba as coisas dos templos. Você se orgulha de ter a lei de Deus, mas você é uma vergonha para Deus porque desobedece à sua lei.” (Romanos 2.21–23, NTLHE).

A nossa hipocrisia religiosa e ignorância da vontade de Deus se revela na nossa religiosidade, pois quando acusamos os outros de seus pecados, mas não olhamos para nós e não vemos o nosso pecado, estamos sendo somente religiosos, hipócritas que expressam nas ações o desconhecimento de Deus.

Não estamos aqui para formar prosélitos, não é para trazermos pessoas para a nossa religião, mas para conhecermos a Deus, ensinando-as sobre esse Deus por meio de palavras e ações que O revelam. Quando falamos sobre Ele e não vivemos o Seu reino, estamos somente envergonhando-O por nossas ações e atitudes, revelando a nossa hipocrisia.

Não somos chamados para sermos e nem para formarmos religiosos, mas para expressarmos e revelarmos Deus ao mundo, andando segundo os valores do reino, expressando o Deus invisível e não O envergonhando.