Seguimos esperando por conforto?

Seguimos, esperando por conforto?

foto por:  Robin Spielmann em Unsplash

Jesus ensinando sobre o signficiado de ser Seus discípulos em Mateus, no capítulo oito, versículos dezenove e vinte, afirma:

“Um mestre da Lei chegou perto dele e disse: — Mestre, estou pronto a seguir o senhor para qualquer lugar aonde o senhor for! Jesus respondeu: — As raposas têm as suas covas, e os pássaros, os seus ninhos. Mas o Filho do Homem não tem onde descansar.” (Mateus 8.19–20, NTLHE)

Seguirmos a Cristo, sermos Seus discípulos, andarmos com Ele não quer dizer que teremos nossos problemas resolvidos, que viveremos uma vida de prosperidade financeira e que não teremos dificuldades neste mundo, pois quando assim fazemos demonstramos a ignorância quanto as Escrituras e os processos de Deus.

Se o próprio Filho passou pelo desconforto, por dificuldades, se Ele mesmo padeceu e sofreu na mão dos homens, por que insistimos em não passar pelas mesmas coisas? Não estamos acima do nosso mestre e devemos como Paulo nos alegrar em toda e qualquer situação, pois o que recebemos, não poderíamos nunca alcançar pelo nosso esforço e empenho, pois dependemos inteiramente da graça de Deus operando em nosso favor por meio de Cristo.

Nossa alegria não se baseia no que temos e nem nas circunstâncias, mas na certeza das promessas e na esperança da pátria celestial reservada para todos os Seus santos.

Nossa vida não pode se basear no que recebemos ou podemos ter, mas na convicção das promessas eternas, na pátria celestial, na alegria da salvação sem qualquer merecimento de nossa parte.