Não se trata do saber, mas do amor de Cristo

Não se trata do saber, mas do amor de Cristo

foto por: Ilyuza Mingazova em Unsplash

No reino de Deus, no meio da Sua família, não se trata do saber, do conhecimento, mas da expressão do amor e da compreensão do que significa a liberdade que Cristo nos chamou, pois não está relacionado a podermos fazer tudo, mas ao entendimento que temos de poder escolher o que é bom para o crescimento e amadurecimento do Corpo, isto é, a expressão do amor de Cristo que se ofertou em nosso favor.

Paulo tratando desta questão na primeira carta aos Coríntios, afirma no capítulo oito, versículos um e dois o seguinte: “No que se refere às coisas sacrificadas a ídolos, reconhecemos que todos somos senhores do saber. O saber ensoberbece, mas o amor edifica. Se alguém julga saber alguma coisa, com efeito, não aprendeu ainda como convém saber.” (1Coríntios 8.1–2, BEARA).

A vida cristã não se resume ao saber e à compreensão da vontade do Pai, mas, de entendermos que a expressão do amor em favor do outro, suplanta a liberdade do que podemos fazer. Isto está do versículo nove ao doze: “Vede, porém, que esta vossa liberdade não venha, de algum modo, a ser tropeço para os fracos. Porque, se alguém te vir a ti, que és dotado de saber, à mesa, em templo de ídolo, não será a consciência do que é fraco induzida a participar de comidas sacrificadas a ídolos? E assim, por causa do teu saber, perece o irmão fraco, pelo qual Cristo morreu. E deste modo, pecando contra os irmãos, golpeando-lhes a consciência fraca, é contra Cristo que pecais.” (1Coríntios 8.9–12, BEARA).

Tudo que fizermos não deve estar calcado no nosso conhecimento e nem na compreensão da nossa liberdade em Cristo, mas, para expressarmos o amor que Ele revelou, que se traduz em oferta e sacrifício em favor do outro, para que sendo nós modelos, possam crescer e amadurecer no conhecimento da vontade do Pai e não motivo de tropeço para o mais fraco.

Anúncios