Nosso medo frente ao desconhecido

Nosso medo frente ao desconhecido

foto por: Claudio Schwarz em Unsplash

Quando não compreendemos as coisas, tendemos a reagir de maneira a afastarmos o que não compreendemos ou para que a insegurança que é em nós gerada possa ser eliminada. Não queremos resolver ou compreender o que aconteceu,  e sim, remover o que é incerto e não dominamos.

Na situação do endemoninhado em que os demônios foram para os porcos, como reagiu a cidade? Podemos ler sobre isso em Marcos, capítulo cinco, do versículo quatorze ao dezesseis: “Os porqueiros fugiram e o anunciaram na cidade e pelos campos. Então, saiu o povo para ver o que sucedera. Indo ter com Jesus, viram o endemoninhado, o que tivera a legião, assentado, vestido, em perfeito juízo; e temeram. Os que haviam presenciado os fatos contaram-lhes o que acontecera ao endemoninhado e acerca dos porcos.” (Marcos 5.14–16, BEARA).

Além do temor que surgiu, o que mais fizeram? Pediram a Jesus que deixassem suas terras. Situação e reação normal? Sim, muito normal quando olhamos pela perspectiva natural, mas nós precisamos agir na direção de querermos conhecer e compreender o que aconteceu para que tendo o entendimento iluminado possamos agir segundo a vontade de Deus. Aquele povo poderia ter sido abençoado pela libertação e cura, mas preferiram continuar com as suas vidas segundo o que já tinham experimentado sem ver o milagre da libertação Daquele homem. Quantos de nós reagem da mesma maneira diante das pessoas frente às incertezas? Temos e precisamos aprender a viver a vontade de Deus e a glorificar o Seu nome.