Podemos até ensinar coisas diferentes de Cristo

foto por: Shalom de León em Unsplash

Não tem como proibir que se difunda e haja ensinamentos em nome de Cristo como se Dele fossem, pois sempre existirão pessoas que não estão interessadas ou não compreendem o Seu ensino, embora sejam simpatizantes de Suas ideias.

Paulo instruindo a Timóteo fala sobre esta questão em sua primeira carta, capítulo seis, do versículo três ao cinco: “Se alguém ensina outra doutrina e não concorda com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e com o ensino segundo a piedade, é enfatuado, nada entende, mas tem mania por questões e contendas de palavras, de que nascem inveja, provocação, difamações, suspeitas malignas, altercações sem fim, por homens cuja mente é pervertida e privados da verdade, supondo que a piedade é fonte de lucro.” (1Timóteo 6.3–5, BEARA).

Temos e precisamos compreender que a piedade que se traduz na devoção a vontade de Deus e a compaixão pelas pessoas, não é e nem pode ser usada como fonte de lucro, como motivo para enriquecimento, pois a piedade deve e tem que ser usada como fundamento do ensino de Cristo, para nos colocarmos em favor das pessoas, como oferta para que todos possam conhecer o Pai.

Precisamos aprender a viver o reino na vontade e conforme o ensino de Cristo, pois só assim, seremos o instrumento planejado por Deus para o crescimento da Igreja, o amadurecimento da família e a condução desta. Não podemos usar das pessoas e nem de suas necessidades para serem fonte de lucro para nós, como muitos têm feito; mas devemos ser a oferta em favor delas para que conheçam o Pai e ensinem outros a fazerem o mesmo.

Anúncios