Fidelidade à vontade do Pai

foto por: Ian Keefe em Unsplash

Não podemos fugir do que é a essência do evangelho, do ensino e expressão da vontade do Senhor neste mundo, temos e precisamos ser fiéis à mensagem de Cristo e expressão da vontade do Pai, ensinando segundo o Seu querer e sendo a expressão de oferta como Ele é para nós.

Não podemos nos render a ensinos que não revelam Cristo em nós, como disse Paulo a Timóteo em sua primeira carta, no capítulo quatro, versículos um e dois: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência,” (1Timóteo 4.1–2, BEARA). E nos versículos seis e oito, depois de dizer que devemos nos afastar do exposto anteriormente, ele afirma: “Expondo estas coisas aos irmãos, serás bom ministro de Cristo Jesus, alimentado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido. Mas rejeita as fábulas profanas e de velhas caducas. Exercita-te, pessoalmente, na piedade. Pois o exercício físico para pouco é proveitoso, mas a piedade para tudo é proveitosa, porque tem a promessa da vida que agora é e da que há de ser.” (1Timóteo 4.6–8, BEARA). E fecha como instrução no versículo nove, afirmando: “Fiel é esta palavra e digna de inteira aceitação.” (1Timóteo 4.9, BEARA).

Não podemos nos render a ensinos que não conduz à cruz, a sermos expressão de Cristo e nem a não sermos oferta em favor das pessoas. Temos e precisamos nos comprometer com a piedade em favor das pessoas, para que possamos expressar a verdadeira devoção à vontade do Pai e revelando a compaixão pelas vidas, fazendo de si mesmo a oferta para que haja o crescimento, amadurecimento e o Seu revelar ao mundo por meio da Igreja, a casa do Deus vivo.

Anúncios