Não submetermos as paixões humanas

Não se submeter as paixões humanas

foto por: Jenny Caywood on Unsplash

Como filhos de Deus, novas criaturas, somos chamados para vivermos o Seu reino, na plenitude da Sua vontade, revelando Cristo em nossas ações e andando de maneira que Ele seja visto em nós, por isso não podemos nos submeter aos desejos do pensamento natural, mas devemos andar como seres espirituais, feitos à imagem de Cristo, para a glória e louvor do Pai.

Pedro escrevendo sobre esta questão, afirma em sua primeira carta, no capítulo dois, versículos onze e doze: “Amados, exorto-vos, como peregrinos e forasteiros que sois, a vos absterdes das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma, mantendo exemplar o vosso procedimento no meio dos gentios, para que, naquilo que falam contra vós outros como de malfeitores, observando-vos em vossas boas obras, glorifiquem a Deus no dia da visitação.” (1Pedro 2.11–12, BEARA).

A razão do nosso viver está em revelarmos o Pai ao mundo, em andarmos aqui como filhos, expressando em nossas ações a Cristo, revelando o Seu reino e glorificando o Seu nome. A santificação do nosso proceder tem como propósito, revelarmos a justiça de Deus e não a maneira de pensar deste mundo. Glorificamos o Pai e expressamos o verdadeiro culto quando fazemos de nossas vidas oferta em favor das pessoas, andando neste mundo como Ele, revelando a Sua justiça, expressando as Suas virtudes a todos.