Do que corremos atrás?

Do que corremos atrás?

foto por: Vivek Doshi em Unsplash

Não estamos discutindo a religião que pertencemos, pois o evangelho, o reino de Deus, não se trata desta questão, mas, do que temos corrido atrás, o que de fato no nosso dia a dia fazemos, temos priorizado e dado importância, pois são nas coisas que fazemos, não nas que desejamos ou pensamos, que estão a nossa prioridade. E são estas questões que revelam o quanto estamos focados no que é eterno ou no que é temporário.

Jesus ensinando, no evangelho de Mateus, capítulo seis, versículos dezenove ao vinte e um afirma: “Não ajuntem riquezas aqui na terra, onde as traças e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e roubam. Pelo contrário, ajuntem riquezas no céu, onde as traças e a ferrugem não podem destruí-las, e os ladrões não podem arrombar e roubá-las. Pois onde estiverem as suas riquezas, aí estará o coração de vocês.” (Mateus 6.19–21, NTLHE).

Não é uma questão de trabalhar muito ou não, mas na motivação pela qual fazemos as coisas. Quando estamos realizando, estamos movidos pelo desejo de sermos mais ricos, ajuntarmos mais, termos um melhor padrão de vida? Ou no nosso empenho, no fazer com zelo, estamos focados em revelar o reino e o Pai, manifestar os valores eternos, praticarmos obras que revelam a justiça de Deus em nossos relacionamentos, revelando compaixão, misericórdia, graça, bondade e equidade?

Podemos fazer as mesmas coisas, revelarmos o mesmo empenho, mas a motivação pode nos levar a dois tipos de eternidade, com Deus e sem Ele? Onde temos colocado o nosso coração? Do que temos corrido atrás? Isto irá fazer muita diferença na nossa vida e na vida das pessoas que estão à nossa volta.