Não podemos sucumbir a escravidão

Não podemos sucumbir a escravidão

foto por: Alev Takil em Unsplash

Não podemos ser escravos do pensamento natural ou pensar que pelo nosso esforço e mérito podemos alcançar a salvação, muito menos nos sujeitar a ordenanças e regras que nada tem a ver com a expressão da graça de Deus em nosso favor, pois estarmos unidos com Ele não é algo que merecemos ou que tenha origem em qualquer esforço realizado por nós, pois a nossa salvação e reconciliação é uma obra exclusiva Dele em nosso favor.

Paulo diante da demanda dos irmãos judaizantes, se nega a se submeter à escravidão da lei para alcançar a salvação, como podemos ler em Gálatas, capítulo dois, versículos quatro e cinco: “E isto por causa dos falsos irmãos que se entremeteram com o fim de espreitar a nossa liberdade que temos em Cristo Jesus e reduzir-nos à escravidão; aos quais nem ainda por uma hora nos submetemos, para que a verdade do evangelho permanecesse entre vós.” (Gálatas 2.4–5, BEARA).

Por entendermos a salvação e o fundamento da vida com Deus, por conhecê-Lo, não podemos nos deixar levar por imposição de pessoas inescrupulosas que querem acrescentar penduricalhos ao evangelho de Cristo. Somos chamados para viver a verdadeira liberdade que alcançamos por meio da obra do Senhor na cruz em nosso favor. E liberdade que nos conduz ao entendimento de sermos ofertas pelas pessoas para que possam conhecer o Pai e a Sua vontade.

Diante da liberdade alcançada em Cristo, não podemos nos sucumbir à escravidão do pensamento natural, a forma de obediência a mandamentos que não podem nos salvar e nem nos conduzir ao conhecimento de nosso Deus e Pai.