Não viver segundo as paixões humanas

Não viver segundo as paixões humanas

foto por: Ingmar Hoogerhoud em Unsplash

Vivermos o reino de Deus, andarmos na Sua vontade é mais simples que pensamos, mas requer entendimento e compreensão da Sua vontade e plano para que não sejamos religiosos e acharmos que o que Ele deseja é culto em Seu nome, que a nossa vida culmine no momento de cântico, adoração e palavra como se isso fosse o todo do que Ele busca.

Ele nos chama para um modo de vida, uma maneira de viver que revele o Seu reino. Pedro escrevendo na sua primeira carta, no capítulo quatro do versículo um ao cinco afirma: “Ora, tendo Cristo sofrido na carne, armai-vos também vós do mesmo pensamento; pois aquele que sofreu na carne deixou o pecado, para que, no tempo que vos resta na carne, já não vivais de acordo com as paixões dos homens, mas segundo a vontade de Deus. Porque basta o tempo decorrido para terdes executado a vontade dos gentios, tendo andado em dissoluções, concupiscências, borracheiras, orgias, bebedices e em detestáveis idolatrias. Por isso, difamando-vos, estranham que não concorrais com eles ao mesmo excesso de devassidão, os quais hão de prestar contas àquele que é competente para julgar vivos e mortos;” (1Pedro 4.1–5, BEARA).

Vivermos a vontade de Deus é andarmos neste mundo como cidadãos do reino, segundo os valores eternos, revelando as virtudes Daquele que nos tirou das trevas e não pelas paixões humanas, buscando o interesse próprio, querendo nos salvar, mas tendo o conhecimento da salvação, experimentando da graça, possamos aprender a viver como Cristo e a fazer de nossas vidas oferta para que todos os que estão à nossa volta possam conhecer Deus, pois andamos como Ele diante de todos. Entendermos que a santificação não é para que nós O vejamos, mas para que as pessoas vejam Deus em nós e assim, possam se converter dos seus maus caminhos.