Cuidando do que nos foram confiados

foto por: Biegun Wschodni em Unsplash

Somos chamados para que na medida da nossa maturidade, nos responsabilizemos e cuidemos uns dos outros, por isso, precisamos entender que todos, todos nós devemos e temos que ser pastores uns dos outros, para cumprirmos a vontade de Deus, sermos expressão da vocação estabelecida para nós e para que o Senhor seja conhecido no mundo, segundo as Suas virtudes.

Pedro, chama especial atenção para os pastores (presbíteros, como ele usa), para que cuidem do rebanho de Deus, como está no capítulo cinco de sua primeira carta, do versículo um ao três: “Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co-participante da glória que há de ser revelada: pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho.” (1Pedro 5.1–3, BEARA).

O que é fazermos espontaneamente? O que é fazermos de boa vontade? O que é sermos modelos? Precisamos discutir estes aspectos? Claro que não, pois se compreendemos a vontade do Pai, se temos Cristo como modelo, se somos os Seus discípulos, precisamos seguir o Seu modelo e sermos ofertas para as pessoas e não usarmos delas para os nossos interesses. Temos que entender que não podemos usar das pessoas para atender a nossa ganância, não é nosso papel dominá-las, mas sermos exemplos, e nem devemos encarar como um serviço, mas, como uma oferta a Deus, resultante do papel atribuído a nós pelo Espírito no Corpo.

Anúncios