Mesmo sabendo

Mesmo sabendo

foto por:  Alexandr Popadin em Unsplash

 

No evangelho de Mateus, depois da ressurreição de Jesus, os líderes religiosos não sucumbiram à verdade, mas continuaram a buscar seus próprios interesses, como podemos ler no capítulo vinte e oito, do versículo onze ao treze:

“Enquanto as mulheres ainda estavam no caminho, alguns dos soldados que estavam vigiando o túmulo voltaram para a cidade e contaram aos chefes dos sacerdotes tudo o que havia acontecido. Os chefes se reuniram com os líderes judeus e fizeram os seus planos. Então deram uma grande quantia de dinheiro aos soldados e ordenaram o seguinte: — Digam que os discípulos dele vieram de noite, quando vocês estavam dormindo, e roubaram o corpo.” (Mateus 28.11–13, NTLHE).

Nos tornamos cegos com a religiosidade ou na prática nunca entendemos o que nos foi falado e o que queremos é a defesa de nosso interesse e a busca do preservar o que consideramos importante para nós? É este tipo de atitude que determina o quanto temos buscado a vontade do Pai ou o quanto estamos prontos a defender o que é nossa prioridade.

Não podemos, quando conhecemos a verdade, insistir na nossa religiosidade, mas devemos parar, debruçar sobre as Escrituras e buscar o entendimento do que Deus está nos falando e não continuamos a resistir. Não podemos ser religiosos e nem buscarmos nossos próprios interesses, mas nos comprometermos com o Pai e a Sua vontade.

Quando soubermos da verdade e da vontade de Deus, não podemos insistir em negá-la e a escondê-la, mas devemos nos comprometer em buscar o discernimento e o que Deus está nos falando.