Uma ordem estranha

Uma ordem estranha

foto por: Trend em Unsplash

Quando lemos em Atos, capítulo oito, do versículo vinte e seis ao vinte e oito, podemos perguntar o porquê daquela determinação:

“Um anjo do Senhor disse a Filipe: — Apronte-se e vá para o Sul, pelo caminho que vai de Jerusalém até a cidade de Gaza. (Pouca gente passava por aquele caminho.) Filipe se aprontou e foi. No caminho ele viu um eunuco da Etiópia, que estava voltando para o seu país. Esse homem era alto funcionário, tesoureiro e administrador das finanças da rainha da Etiópia. Ele tinha ido a Jerusalém para adorar a Deus. Na volta, sentado na sua carruagem, ele estava lendo o livro do profeta Isaías.” (Atos dos Apóstolos 8.26–28, NTLHE).

Quando ouvimos uma determinação dessa, como ir por um caminho que quase ninguém passa e o que estamos fazendo é falando para as pessoas sobre o reino de Deus, o que fazemos? Temos a mesma atitude de Filipe de obedecer e ir ou o que fazemos é desprezar a determinação e continuamos o nosso caminho, pois achamos que a determinação não faz sentido?

Revelamos nosso alinhamento com o Espírito Santo, nossa submissão à vontade de Deus, pelas nossas reações diante dessas situações. Aprender a obedecer, mesmo que pareça uma determinação estranha é que nos conduzirá no realizar do querer e da vontade de Deus.

Precisamos aprender a obedecer às coisas que o Espírito nos fala para não perdermos a oportunidade de testemunhar e revelar o reino às pessoas.