Um compromisso calcado em um propósito

Não dá para estabelecer um compromisso ao ponto de darmos a própria vida se não houver o entendimento do propósito. Quando compreendemos a vontade de Deus, Sua obra em nossas vidas e o que Ele planejou para nós, nós nos comprometeremos com a Sua vontade, mas só a conheceremos, se buscarmos de todo coração.

Jesus estava comprometido com a vontade do Pai, com o Seu propósito e ofereceu a Si mesmo em favor de todos, para que pudéssemos alcançar a reconciliação com Ele.

Podemos observar isso em Sua oração no Getsemani, quando pede ao Pai, como podemos ler em Lucas no capítulo vinte e dois, versículo quarenta e dois: “dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; contudo, não se faça a minha vontade, e sim a tua.” (Lucas 22:42, BEARA).

Ele compreendia o que iria padecer, as dificuldades que iria enfrentar e todo o processo da cruz. Ele somente seguiu em frente pois estava comprometido com a vontade do Pai e a ela se submeteu porque conhecia o Seu propósito.

Precisamos entender que não existe oferta em favor dos outros, se não houver em nós entendimento da vontade de Deus para a nossa vida. Ele, quando nos submetemos a ela, nos reconcilia, faz de nós uma nova criatura, nos dá do Seu Espírito, capacitando-nos para vivê-la, mas como o próprio Cristo falou: temos que negar a nós mesmos (isto é, morrermos para nós e nossa vontade), tomarmos a cruz (compreendermos que temos que morrer para os nossos interesses e desejos) e segui-Lo, ter Nele o modelo de como viver.

Jesus estava totalmente comprometido com a vontade do Pai, e nós, compreendendo que temos Nele o modelo e que somos a expressão da Sua plenitude, devemos viver para revelarmos os valores do Reino e as virtudes do Pai. Se fizermos, como Cristo, uma oferta da nossa vida em favor das vidas que precisam conhece-Lo, é que cumpriremos o nosso papel e propósito neste mundo e isto, depende do compromisso que temos com a vontade de Deus e a ela nos submetermos.