Onde nos perdemos?

Onde nos perdemos?

foto por: H A M A N N em Unsplash

Podemos começar bem a jornada, fazer o que precisamos e da maneira como devemos, mas podemos nos perder no caminho, deixando os fundamentos, deixando de fazer pela motivação correta, ou mesmo, passarmos a confiar em nós mesmos e não acharmos que dependemos inteiramente de Deus, pois confiamos em nossos recursos.

Não foi uma realidade diferente para a igreja de Laodicéia, pois estavam confiando em seus recursos e achando que era senhora de si, como podemos ler em Apocalipse, capítulo três, do versículo quinze ao vinte: “Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca; pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu. Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres, vestiduras brancas para te vestires, a fim de que não seja manifesta a vergonha da tua nudez, e colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas. Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te. Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.” (Apocalipse 3.15–20, BEARA).

Não podemos esquecer isto, nem viver o reino e realizar a obra de Deus na nossa confiança e força, pois dependemos inteiramente Dele, do Seu operar e conduzir segundo a Sua vontade e não conforme o nosso entendimento e confiança que possamos pensar que temos em nós.

Dependemos inteiramente Dele para realizarmos tudo que temos que fazer para a glória e louvor do Seu nome.