Nossos preconceitos e religiosidade

Nossos preconceitos e religiosidade

foto por: Andre Furtado em Unsplash

Aprendermos a olhar segundo os olhos de nosso Deus, deixarmos de ser religiosos e observarmos as obras, antes de estabelecermos o nosso preconceito e religiosidade, é fundamental na nossa caminhada e para ouvirmos o que é nos falado pelo Senhor que nos conduz pelo Seu Espírito ao conhecimento de Sua vontade.

Como podemos ler em João, capítulo um, versículos quarenta e cinco e quarenta e seis, Natanael foi preconceituoso com relação a Cristo: “Filipe encontrou a Natanael e disse-lhe: Achamos aquele de quem Moisés escreveu na lei, e a quem se referiram os profetas: Jesus, o Nazareno, filho de José. Perguntou-lhe Natanael: De Nazaré pode sair alguma coisa boa? Respondeu-lhe Filipe: Vem e vê.” (João 1.45–46, BEARA).

Antes de mesmo de conhecermos e de andarmos juntos, estabelecemos conceitos com relação às pessoas por causa de sua cor, origem, família, etc… mas não é esta a vontade de Deus, pois assim como Ele fez com Cristo, Ele também nos conduz na Sua vontade segundo o Seu querer, pois não se trata de quem somos, mas do compromisso que temos com a Sua vontade e o quanto estamos comprometidos com ela, para sermos usados como expressão da Sua justiça.

Que possamos aprender a não andar segundo o nosso preconceito, mas aos valores eternos do Criador que nos revela a Sua vontade, usando-nos no Seu querer e não importando de onde viemos e muito menos sobre nossa origem, pois Ele está buscando quem se compromete com a Sua vontade.