Se não seria ouvido, por que sabia?

Se não seria ouvido, por que sabia?

foto por: Free-Photos em Pixabay

Em Atos, capítulo vinte e sete, dos versículos nove ao onze, lemos:

“Ficamos ali muito tempo, e tornou-se perigoso continuar a viagem porque o inverno estava chegando. Então Paulo avisou: — Homens, estou vendo que daqui para diante a nossa viagem será perigosa. Haverá grandes prejuízos não somente com o navio e com a sua carga, mas também haverá perda de vidas. Mas o oficial romano tinha mais confiança no capitão e no dono do navio do que em Paulo.” (Atos dos Apóstolos 27.9–11, NTLHE).

A grande questão que devemos responder é por que muitas vezes sabemos das coisas, avisamos e as pessoas não  ouvem? Precisamos entender que é normal que as escolhas sejam feitas por experiência e a outra é que não se trata de uma questão de evitar os problemas, mas sermos preparados para enfrenta-los da maneira que nosso testemunho seja coerente.

Não foi diferente com Paulo e não é conosco. Termos o discernimento do que virá não é para que evitemos, mas para que nos preparemos e  intercedamos pelas vidas como Paulo fez e, como sabemos, nenhuma se perdeu e ele deu um testemunho fiel de nosso Deus às pessoas.

Termos o conhecimento antecipado de situações não é para que as evitemos, mas para nos prepararmos e darmos o bom testemunho, revelando nosso Deus às pessoas.